• 11 9.8879-2369

Category ArchiveSão Paulo

Quatro anos e nenhuma solução

Passaram quatro anos sem tentar resolver o problema e em menos de um mês a ideia que surge é de tirar os moradores de ruas para locais mais apropriados e dignos, serão qualificados, empregados e todo o programa pelo publicado, não terá dinheiro público, mas a iniciativa privada, ainda pagando salário a estes de R$ 937,00 – espero que sem registro em carteira para assim sobrar mais aos moradores de rua – para muitos isso pode soar surreal, como o governo não vai usar o dinheiro público para isso?

Pois é, o dinheiro público pode ser usado de outras formas, neste caso é assertivo que o dinheiro venha da iniciativa privada, irá gerar emprego e o benefício será mútuo, a administração passada dava mais de R$ 15 milhões por mês a ONGs de “amigos”, e o que víamos eram moradores de rua largados a própria sorte.

É preciso pensar no problema seja ele qual for e ver uma saída diferente da convencional, onde o dinheiro “abundante” proveniente de impostos são mal utilizados quase como uma regra e fazer realmente uma mudança a meta é tirar mais de 20 mil moradores de rua, vamos fiscalizar e cobrar, por enquanto as bolas foras quem está dando é a turma do quanto pior melhor.

Saiu Fernando Haddad, entrou João Doria, que surpreenda muito mais positivamente.

Audiência pública sobre aumento de tarifas

Assista ao vídeo da minha participação na audiência pública na câmara sobre o aumento da tarifa de passagem dos ônibus municipais.

Existem alternativas para que não aconteça o aumento, o que não tem ao que parece é a vontade de realmente melhorar o serviço e até porque não, diminuir a tarifa, nem tudo é possível ser subsidiado pelo dinheiro público.

Resultado das eleições 2016

Que pena que o Sr. Ninguém não poderá assumir!

Um novo “candidato” começa a aparecer expressivamente nesta eleição, seja a majoritária ou proporcional, talvez pela influência da corrente que rola no whatsapp ou facebook que diz “…se tiver mais de 50% de voto nulo anula eleição…” ou pelo fato de não se verem representados por nenhuma das opções.

Porém, primeiramente independente de ter votado em alguém, absteve ou votado em branco, é direito do cidadão de exigir melhorias em sua cidade, não existe a história de “a… eu não votei” ou “você que votou nele” ou então ainda piadinhas que mais refletem o quanto pior melhor.

É preciso ter maturidade política e ver que é a responsabilidade de cada um o caminhar da sua cidade, fazer valer seus direitos e sem idolatria por eleitos e tão pouco partidos, pois é por isso que não temos bons representantes, tão pouco uma renovação política – em São Paulo só 44% de renovação – que é tão necessária, acabam reconduzindo os mesmos de sempre, alguns que fizeram algo mas outros que pouco se importam com o que a população precisa.

Enfim, a participação é importante, é preciso compreender que não é pegando papel no chão ou da mão de cabos eleitorais no dia da eleição que se decide em quem votar, isso tem que ser antes, conhecer as propostas, aliás, nem precisaria de papel se cada um buscasse a informação sobre os candidatos pela internet.

Quem sabe um dia mude um pouco esta nossa política.

 

Palestra na sede do MOCA

A convite do brother Robert, estive no MOCA para falar sobre direitos e estrutura municipal “onde reclamar?”. Agradeço pelo convite e carinho recebido por todos.

Usuários de transporte público é prioridade para o Haddad?

A gestão Haddad é muito citada no país como uma prefeitura preocupada em modernizar o transporte urbano, em viabilizar diversos meios de locomoção e incorporar inovação. Ao menos no discurso.

Na prática o Uber que representa justamente a inovação nos transportes urbanos no mundo inteiro aparenta ser uma pedra no sapato da prefeitura demonstrando os limites da vontade política em realmente disponibilizar todas as opções de transportes possíveis aos usuários.

O serviço que já foi proibido e agora foi liberado passa a partir de hoje a cobrar mais dez centavos sobre quilômetro percorrido. O motivo disso é a cobrança feita pela prefeitura na qualidade de outorga pelo uso viário urbano. O adicional então vai direto para as mãos do órgão público que cobra o Uber, e aos usuários por tabela, pelo uso das estradas que os cidadãos já pagaram para construir e pagam regularmente para manter.

Mas não é só isso, há um limite de quilômetros percorridos pela empresa que equivale ao que percorrem 5 mil taxis por mês, impedindo a mesma de crescer organicamente e suprir a demanda gerada pelos usuários que escolhem o serviço como seu modal de transporte de preferência.

Quer mais? A Uber terá que investir em seu sistema para informar a prefeitura em tempo real sobre suas corridas. Exigência necessária para comprovar o respeito à cota máxima de corridas arbitrariamente estabelecida. Ou seja, quem sai perdendo? A empresa, o cidadão e o motorista. Aparentemente quando o interesse do usuário entra em conflito com os grupos de pressão que apoiam a prefeitura do Petista, como os sindicatos de táxi por exemplo, o usuário leva a pior.

Leitos bloqueados e cirurgias desmarcadas

A falência da Função Social do Governo do Rio de Janeiro.

Em alguns dias, teremos uma das mais expressivas manifestações de ego, desrespeito e prepotência de todos os nossos políticos, de nossos Governos e de nosso Estado, as Olimpíadas Rio 2016.

Todos sabem que temos milhares de outras prioridades para o uso de dinheiro “público”, certo que, usando este termo, é sempre bom lembrar o que dizia Margaret Thatcher: “Não existe essa coisa de dinheiro público, existe apenas o dinheiro dos pagadores de impostos.”.

Mas, todo o dinheiro dos pagadores de impostos, deveria ter uma função básica, essencial, já que já lhe fora tomado pelo Governo, coisas básicas, como saúde, educação e principalmente segurança.

Não temos bons serviços públicos nessa área, porém, o governo consegue piorar, consegue fazer com que o péssimo se torne horrível, com que algo que seria um filme de drama, se torne um péssimo filme de terror.

Em um cenário de caos, com um déficit de mais de 7000 leitos no Rio de Janeiro, os hospitais municipais estatais da cidade têm dado alta e dispensando até mesmo pacientes internados para liberar leitos para as Olimpíadas.

A fim de bloquear 135 leitos na rede municipal, diversas cirurgias foram desmarcadas, incluindo cirurgias de tumores, além de diversos pacientes que já estavam internados esperando cirurgia – muitas vezes há anos – e que receberam alta para serem internados novamente depois das Olimpíadas.

Com isso, o governo ENTERROU sua função social, enterrou sua função, demonstrando que não tem respeito pela população, que mantem o Governo, pagando seus impostos.

Precisamos mudar nosso Governo de forma imediata, trocar esses parasitas, por verdadeiros representantes, por uma representação direita, por novas ideias, por novas visões.

Não podemos mais tolerar esse tipo de ato.

Fonte:

http://www.ilisp.org/noticias/hospitais-estatais-dispensam-pacientes-internados-para-liberar-vagas-para-olimpiadas/

Redução de gastos na câmara municipal

Você acha que os vereadores precisam de tantas mordomias? Os valores gastos com cada gabinete não parecem exorbitantes?

Nós acreditamos que dá pra fazer mais com muito menos, e calculamos uma proposta de corte de gastos perfeitamente viável.

Fazendo com que esta economia seja revertida para nossas demandas reais, ao invés de continuarmos sustentando tais mordomias em detrimento das nossas verdadeiras necessidades.

Moradores de rua, falta respeito e dignidade!

Estamos em tempo de frio extremo, na capital paulista foram até o momento cinco mortos devido a omissão e pelo frio rigoroso dos últimos dias, a prefeitura por sua vez através da Guarda Metropolitana segundo os moradores de rua, retiram seus pertences, os deixando ao relento, retirando carroças, papelão e tudo mais que possa servir para aquecer e se abrigar.

Não é incomum relatos de que funcionários da prefeitura jogam jatos de água nos moradores de rua entre outros maus tratos, na desculpa de que tem que retirar o pessoal daquele local, a mais recente pérola é a fala do prefeito Fernando Haddad que orientou a GCM – Guarda Civil Metropolitana – a retirar exceto colchão dos moradores para não haver favelização de praças entre outros logradouros da cidade.

Porém, ao que parece o prefeito esqueceu durante toda sua gestão de olhar a população de rua, buscar saber o que está havendo, não houve preocupação na reinserção destas pessoas, mas sim houve tentativa de assistencialismo que como sabemos não dá certo, pessoalmente me preocupo em conhecer e tentar entender o problema para depois sim dizer algo, o que nossos governantes deveriam fazer também, é muito mais positivo do que ficar em seus escritórios.

Sub-Prefeitura São Miguel – Assessoria da juventude

Estive na tarde de hoje na assessoria da juventude da sub-prefeitura de São Miguel Paulista, boa parte da tarde conversando sobre projetos e ideias com a Priscila Matteuzzi.

Falamos sobre a necessidade de projetos na área de cultura, educação, desenvolvimento, sustentabilidade entre outros, bons projetos porque não dizer excelentes até, para serem colocados em prática, é uma necessidade gritante no extremo leste e digo em especial ao Distrito do Jardim Helena em termos equipamentos e oportunidades para a juventude local, uma vez que carece-se de oportunidades, por diversas vezes é necessário um longo deslocamento para se ter seja uma diversão, lazer, estudo, por que não aqui?

Nesta linha me coloquei a disposição para que possamos colocar em prática os possíveis projetos que possam viabilizar a melhoria da qualidade de vida dos moradores e trazer o poder público para perto desta parte da população que se vê abandonada e só relembrada em época de campanha eleitoral sendo esquecida novamente após o fechamento das urnas.

Também tive o prazer de conhecer e ter uma conversa muito interessante com a Angélica Migri, sobre projetos voltados ao desenvolvimento social e empreendedorismo.

É preciso mudar, inovar, renovar e estou disposto e muito a ajudar a região ter por que não um salto do que é, para o que pode ser este distrito.

Reunião na Assoc. de Vila Itaim

Acabei por acompanhar Angélica Migri, Agente de desenvolvimento local e a assessora da juventude Priscila Matteuzzi da Sub-prefeitura de São Miguel Paulista, uma vez que levaria mais um pouco de doações as famílias que foram atingidas pela enchente, vestuário foi o que mais doaram, em detrimento de alimentos não perecíveis, mas cada um doa aquilo que lhe cabe e sempre será de bom grado.

A reunião que acabei por participar foi bem interessante e teve também a Angélica pontuou projetos e ações possíveis que podem ser realizadas na associação de Vila Itaim, projetos não faltam, ideias também não, o que é necessário é a implementação das ações e projetos propostos, somente assim desta forma teremos uma melhoria na região, impossível é algo que não foi tentado ao menos, existem fontes, modos de trazer o poder público para que faça sua parte, orientações gerais foram muito bem apresentadas e agora é o momento de colocar em prática.

Em conversa com o sr. Valdenor, ficou acertado para que seja feita uma feira de artesanato como feita no final do ano passado na Sociedade Parque Paulistano, onde a ideia principal é desenvolver o trabalho manual de artesanato na região, para que tenham uma fonte de renda.

Toda mudança acontece lenta e gradativa, já outras podem e devem ser impulsionadas para que tenhamos um resultado a médio e curto prazo, para isso o empenho de todos os envolvidos é o principal motor da mudança desejada.