Cidades irmãs

É interessante observar a vida de duas cidades e seus problemas e ver que existe uma falta de conhecimento da cidade, seus habitantes da vida dela como é além de suas necessidades por parte de prefeitos.

Pego o exemplo de São Vicente e São Paulo, onde são as duas cidades que posso falar por viver nelas, sendo a primeira mais intensamente uma vez que nasci e a outra por estar vivendo nela por mais de 8 anos, mesmo assim transitando entre elas.
Lembrando que São Vicente equivale a um bairro de São Paulo proporcionalmente, mas muitos problemas em pé de igualdade proporcionalmente.

– Transporte Público
Com uma área pequena e que poderia ter uma logística melhor de locomoção, muitos bairros assim como na capital apesar de um do lado do outro sofrem com a falta de locomoção, onde por muitas vezes ora faltam linhas, pontualidade ou frequência do serviço ficam a desejar.
Apesar do valor pago que não á baixo se compararmos o custo x benefício, a população é mal atendida e falta uma logística de transporte eficiente. Existem soluções mas seus secretários de transporte insistem em não se debruçar em estudos de verdade para se solucionar o problema.

– Saúde
Diferente de São Vicente, São Paulo conta com uma grande rede de UBS, AMAS entre outros pontos de atendimento de saúde, porém sofre com a constante falta de medicamentos, pagamentos de funcionários, manutenção dos aparelhos assim como em São Vicente, porém lá hospital público, se podemos chamar assim, tem apenas um, conta também com um hospital da irmandade São José, que sobrevive ora com intervenção, ora com suas portas quase fechadas, o que lembra a Santa Casa de São Paulo. Agora a “novidade” é a ideia “genial” de se desfazer de um centro de convenções que inicialmente seria uma rodoviária – existe uma improvisada e mal localizada – e é onde querem construir um hospital, o que demandará tempo e dinheiro.

– Alagamentos
Em São Paulo existe um plano que ficou no papel neste quase 4 anos de prevenção de alagamentos, algo que até onde sei não existe em São Vicente, tão pouco de prevenção, o que resulta em alagamentos obviamente gerando o caos, apesar de São Vicente estar ao nível do mar, não é desculpa para este tipo de acontecimento, existem projetos e muito bons para a prevenção de alagamentos mas ambos prefeitos não parecem se importar muito com isso, talvez isto não gere votos, maldito São Pedro! rs
– Segurança pública
Sim, a segurança é responsabilidade do estado, seu comando obedece ao governador, porém quem comanda a cidade e pode intervir é o prefeito, ambas tem sua guarda municipal, que muitas vezes arrumam mais problema do que exercem sua função real, tão pouco existe a preocupação da prefeitura em administrar as áreas de risco da cidade evitando delitos, como acontece e muito nos bairros mais afastados da capital tanto quanto em plena praia as 18 horas em São Vicente.

– Assistência social
Parece um pouco ou muito inexistente nas duas cidades, não havendo um projeto com olhar sobre moradores de rua e pessoas em situação de risco.
Em São Paulo tivemos casos de moradores de rua sendo enviados a prédios ocupados pelo movimento de sem teto pela própria assistência social e uma cegueira em São Vicente quanto aos que ficam pelas ruas, neste caso além de índios em situação de mendicância no centro da cidade.

– Participação Popular
Em São Paulo criaram os conselhos de moradores, voto livre em toda cidade, participação da população com um detalhe, não houve propaganda informativa sobre o que são e para o que serve mas houve muita gente sendo eleita por ser ou ter envolvimento com o partido do governo, não houve um resultado claro, informações como mapa de votação entre outros e posteriormente poucos foram os conselhos que trouxeram a população para participação de decisões ou meramente expectadores, a impressão que passa é que não aconteceu nada.
Em São Vicente desconheço qualquer iniciativa inclusive vereadores não quiseram que fosse colocada a discussão e aprovado o projeto “tribuna do povo” inclusive houve relato que um vereador disse que “é desnecessário pois quem representa o povo são eles”, mas não pode ouvir o povo?
Enfim, ano que vem teremos eleições novamente e agora para vereador e prefeito, é bom começar os debates e separar os maus e péssimos legisladores e executivos, meu conselho é dar férias aos políticos profissionais, já passou da hora, afinal se não querem ouvir realmente a população, não podem representá-los.

Este foi apenas um resumo de alguns pontos, sim, existem muitos, educação é um post único….

Rodrigo Rey

Comentários

comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ seventy = seventy eight