• 11 9.8879-2369

Arquivos por mêsoutubro 2016

Precisamos de um estado grande?

Segundo o FMI a Espanha deve crescer mais de 3% este ano, mesmo com mais de 200 dias o país seguindo sem governo, a taxa de desemprego caiu de 25,1% em 2015 para 23% em março deste ano.

O que se pergunta por lá é a necessidade real de um governo parlamentarista, lembrando que por aqui discute-se a mudança de presidencialismo para parlamentarismo. O PP e o PSOE não conseguiram formar um governo mesmo sendo os principais partidos, este fato se deu pelo surgimento do Ciudadanos e o Podemos que surgiram depois das manifestações por lá e ão aceitam fazer coalizão com os partidos “tradicionais” o que impede a formação de governo.

Algo tão inusitado ainda como bom reflexo na economia, além claro de que houve uma boa melhora na área de turismo, queda do valor do petróleo e dos aluguéis, é que até pouco tempo atrás a Espanha estava na mira da comunidade européia pois não iria conseguir atingir a meta fiscal e precisaria de mais de 10 Bilhões em cortes para que fosse possível o cumprimento da meta.

Neste cenário, os investidores estão otimistas e começam a voltar a investir no país, com isso o que podemos perceber é que um governo mais enxuto possível é bem melhor.

Mas é preciso observar a impaciência dos espanhóis com a eterna campanha – a mais de 9 meses – para se tentar formar um governo e até quando os investidores irão continuar otimistas assim também como Bruxelas.

Rodrigo Rey

Resultado das eleições 2016

Que pena que o Sr. Ninguém não poderá assumir!

Um novo “candidato” começa a aparecer expressivamente nesta eleição, seja a majoritária ou proporcional, talvez pela influência da corrente que rola no whatsapp ou facebook que diz “…se tiver mais de 50% de voto nulo anula eleição…” ou pelo fato de não se verem representados por nenhuma das opções.

Porém, primeiramente independente de ter votado em alguém, absteve ou votado em branco, é direito do cidadão de exigir melhorias em sua cidade, não existe a história de “a… eu não votei” ou “você que votou nele” ou então ainda piadinhas que mais refletem o quanto pior melhor.

É preciso ter maturidade política e ver que é a responsabilidade de cada um o caminhar da sua cidade, fazer valer seus direitos e sem idolatria por eleitos e tão pouco partidos, pois é por isso que não temos bons representantes, tão pouco uma renovação política – em São Paulo só 44% de renovação – que é tão necessária, acabam reconduzindo os mesmos de sempre, alguns que fizeram algo mas outros que pouco se importam com o que a população precisa.

Enfim, a participação é importante, é preciso compreender que não é pegando papel no chão ou da mão de cabos eleitorais no dia da eleição que se decide em quem votar, isso tem que ser antes, conhecer as propostas, aliás, nem precisaria de papel se cada um buscasse a informação sobre os candidatos pela internet.

Quem sabe um dia mude um pouco esta nossa política.