Que tal rankear as universidades pela empregabilidade dos formados?

– Pedagogos se formam sem noção de como atuar em sala de aula.

– Designers se formam sem criatividade e noção estética.

– Jornalistas se formam sem saber qual seu estilo de redação jornalística.

– Publicitários se formam sem entender o fluxo de uma campanha.

E assim por diante.

“…tenho encontrado mais pesquisas que corroboram com o que venho falando faz anos, a universidade será um espaço de fomentar a inovação e o empreendedorismo. A universidade irá se assemelhar a um HUB ou Espaços de Coworking, que são espaços colaborativos, com laboratórios de desenvolvimento tecnológicos, incubadoras para novas Startups e aceleradoras. Um espaço vivo de aprendizagem por projetos interdisciplinares e transdisciplinares, com alunos altamente curiosos e professores mentores ou facilitadores.” (texto completo: Uma universidade que olha para o futuro)

Era uma turma de último semestre da faculdade. Perguntei quantos atuavam na área que estavam prestes a se formar. Apenas 4 alunos levantaram a mão.

Aos que não levantaram a mão, eu perguntei quantos tinha currículo, Linkedin e portfólio prontos. Somente um aluno levantou a mão.

Perguntei aos outros alunos, qual seria o plano para ingressar na área? Já que estágio seria quase impossível, por conta do pequeno prazo até a conclusão do curso.

Um aluno rapidamente resolveu compartilhar seu plano: “quando eu terminar a faculdade, eu irei montar meu portfólio e currículo, coisa que não consigo fazer agora, pois trabalho e ainda tenho que fazer os projetos da faculdade”.

Dei um sorriso amarelo. Minha primeira impressão foi que a resposta dele não passava de uma boa desculpa e continuei meus questionamentos com naturalidade, mas aquele rapaz colocou uma pulga atrás da minha orelha.

Lembrei-me de todo relato de Alan, que no penúltimo semestre da faculdade, fazia parte de uma turma de futuros jornalistas que não escreviam, não tinham blog, não praticavam e desenvolviam um estilo de redação jornalística, não liam, apenas estavam levando os semestres da faculdade, acreditando na ilusão do poder de um diploma, mesmo sendo alunos sem produção. (texto completo: “O Ensino Médio não te preparou”)

O que esses jovens fazem por tantos semestres na faculdade que não produzem ou desenvolvem o que é essencial para entrar no mercado de trabalho?

Vejo professores altamente competentes, universidades bem estruturadas, alunos interessados, mas toda boa vontade “morre na praia” ao perceber que o mais importante é cumprir exigências inúteis do MEC.
– Por que o MEC vive atrapalhando a aprendizagem com exigências banais?
– Por que somos obrigados a praticar um adestramento emburrecedor para o provão do MEC?
– Por que sobrecarregamos os alunos com teorias fragmentadas, sem aplicabilidade e fora do contexto?
– Qual a necessidade do MEC de ser um controlador autoritário?
– Até quando as instituições de ensino serão infantilizadas pelos mimos do MEC e terão sua autonomia (prevista em lei) desrespeitada?

– Não seria mais funcional preparar esses alunos para o mercado de trabalho e rankear as universidades pela empregabilidade dos formados?

Link relacionado: Aprender para fazer OU fazer para aprender – A inovação disruptiva da Aprendizagem por Projetos

Fonte da foto: https://www.pexels.com/pt-br/

Deixe um comentário