As classes D e E participam menos da vida empreendedora, por conta de um processo de exclusão social dos mecanismos de instrução e orientação, também temos o problema da burocracia para se empreender e empregar além da experiência que é necessária pelas empresas.

Conheça as propostas

Os polos de empreendedorismo e os de desenvolvimento profissional se integram no combate do desemprego, permitindo a geração de emprego por quem quer empreender e empregando quem precisa, com qualificação e suprindo a necessidade para quem acessa o mercado de trabalho a famosa experiência.

Clique e veja abaixo cada uma das propostas.

No novo plano diretor para o turismo deverá contemplar todo o estado com seus polos turísticos e facilitar a divulgação, empreendedorismo e trabalho do setor.

A iniciativa privada precisa e deve ser o motor do desenvolvimento de nosso estado, para com isso possamos gerar mais empregos, a facilitação de abertura de novos negócios ainda mais em regiões com potencial de entrega subaproveitado.

Desburocratizar e revisar a tributação e fomento de oportunidades para que assim seja possível termos novos negócios.

Integrar os esforços com a FIESP, SEBRAE entre outras entidades que possam ser parceiras em projetos de impacto social permitindo assim novos caminhos para o desenvolvimento econômico e geração de emprego e renda.

Criação ou permissão de uso de espaços para novos negócios, onde a empresa possa se estabelecer por um prazo máximo de cinco anos com acompanhamento dos parceiros do projeto e posteriormente dar o lugar a outro empreendimento. 

A proposta de incubadoras inclui outro projeto, de desenvolvimento profissional, onde jovens e adolescentes das redes públicas preferencialmente possam exercer sua função como primeira experiência profissional. 

Semelhante ao projeto de incubadoras de empresas, a proposta é de levar o jovem ao mercado de trabalho pós preparação, sabemos que não basta ter apenas a vontade mas sim ter conhecimento, adquirir alguma experiência.

Para isso, o estado terá parceiros que permitam o participante do projeto desenvolver sua atividade junto a incubadora de empresas ou com os parceiros por um prazo de um ano, adquirindo uma experiência em atendimento, gerenciamento, funções técnicas entre outros mais, além da possibilidade de exercer sua profissão com um espaço de coworking.

O principal objetivo é de capacitar para o mercado de trabalho por meio de experiências empreendedoras, assim estimulando nossa juventude.